04/01/2018
Qualidade de Vida & Saúde
Como diferenciar a tristeza da depressão
 


Estar triste é diferente de estar com depressão, já que a tristeza é um sentimento normal de qualquer pessoa, sendo um estado desconfortável gerado por situações como um desapontamento, lembranças desagradáveis ou o término de um relacionamento, por exemplo, que é passageiro e não precisa de tratamento.

Já a depressão é uma doença que afeta o humor, gerando tristeza profunda, persistente e desproporcional, que ultrapassa 2 semanas, e que não tem um motivo justificável para acontecer. Além disso, a depressão pode vir acompanhada de sintomas físicos adicionais, como diminuição da atenção, perda de peso e dificuldade em dormir, por exemplo.

Estas diferenças podem ser sutis, e até, difíceis de perceber, portanto caso a tristeza persista por mais de 14 dias, é importante passar por uma avaliação médica, que poderá definir se há depressão e orientar um tratamento, que inclui o uso de antidepressivos e a realização de sessões de psicoterapia.


*** Como saber se é tristeza ou depressão
Apesar de compartilharem muitos sintomas semelhantes, a depressão e a tristeza apresentam alguma diferenças, que devem ser observadas para uma melhor identificação:

*** Tristeza x Depressão
- Tem um motivo justificável, e a pessoa sabe por que está triste, podendo ser um desapontamento ou um fracasso pessoal, por exemplo; Não tem uma causa que justifique os sintomas, sendo comum a pessoa não saber o motivo da tristeza e achar que tudo está sempre ruim. A tristeza é desproporcional aos acontecimentos;
- É temporária, e diminui à medida que o tempo passa ou a causa da tristeza se afasta; É persistente, dura a maior parte do dia e todos os dias por, pelo menos, 14 dias;
- Há sintomas de vontade de chorar, sentimento de impotência, desmotivação e angústia. Além dos sintomas de tristeza, há perda do interesse por atividades agradáveis, energia diminuída, além de outros, como pensamento suicida, baixa auto-estima e sensação de culpa.

Além disto, é importante diferenciar a depressão de um caso de luto, após perda de algo ou alguém querido, pois é uma situação que pode apresentar tristeza profunda que persiste por vários meses ou até 1 ano, mas que, tem uma justificativa, tem sentimentos oscilatórios e que pioram com a lembrança da perda.


Apesar do luto ser uma resposta de adaptação à perda, a pessoa pode não conseguir se recuperar, sendo muito comum que o luto vire persistente e se torne uma depressão.

*** Como confirmar a depressão
Para diagnosticar um episódio de depressão, a pessoa deve ter pelo menos 2 dos seguintes sintomas:

Humor deprimido que seja anormal para aquela pessoa, mantido por pelo menos 2 semanas, presente durante a maior parte do dia, quase todos os dias, e que não é influenciado pelas circunstâncias;
- Perda de interesse ou prazer por atividades que normalmente são agradáveis;
- Sensação de fadiga e energia diminuída.
- Outros sintomas secundários muito comuns na depressão incluem:

*** Perda da confiança ou auto-estima;
- Sentimentos de culpa excessiva ou auto-reprovação;
- - Problemas de sono, principalmente insônia, em que a pessoa acorda no meio da noite e não volta a adormecer, ou sonolência excessiva;
- Pensamento recorrente de morte ou suicídio ou qualquer comportamento suicida;
- Diminuição da concentração ou capacidade de pensar, havendo indecisão;
- Excesso de agitação ou lentificação na realização das atividades;
- Alteração do apetite, com diminuição ou aumento), com correspondente alteração do peso;
- Perda do desejo sexual;
- Depressão pior pela manhã;
- Perda de peso (5% ou mais do peso corporal no último mês);
- Irritabilidade e ansiedade excessivas.

O diagnóstico de depressão tem de ser feito por um médico, de preferência psiquiatra, que pode classificar a depressão de acordo com a sua gravidade, que varia com a quantidade de sintomas presentes.

*** Como diferenciar a tristeza da depressão
Assim, a depressão pode classificada como:

- Leve - quando apresenta 2 sintomas principais e 2 sintomas secundários;
- Moderada - quando apresenta 2 sintomas principais e 3 a 4 sintomas secundários;
- Grave - quando apresenta 3 sintomas principais e mais de 4 sintomas secundários.
- Após o diagnóstico, o médico poderá orientar o tratamento, que deve ser deve ser ajustado aos sintomas presentes.

*** Como é feito o tratamento
O tratamento para depressão é feito com o uso de medicamentos antidepressivos recomendados pelo psiquiatra e a realização de sessões de psicoterapia, geralmente, feitas semanalmente com um psicólogo.


Fonte: Drª. Elaine Aires
 
Indicar esta notícia Imprimir esta notícia
VEJA OUTRAS NOTÍCIAS DA CATEGORIA QUALIDADE DE VIDA & SAÚDE
19/06/2017 - Avaliando a Sua Vida
09/05/2017 - QUAL O GRAU DE INTOLERÂNCIA ÀS SUAS PREOCUPAÇÕES? FAÇA O TESTE
23/01/2017 - Quando buscar ajuda de um Profissional da Psicologia
26/11/2014 - Saiba como controlar suas emoções no trabalho e na vida pessoal
26/12/2013 - Sede no Vale do Paraíba- São José dos Campos
26/12/2013 - Conheça a técnica do biofeedback
 
  Avenida Alfredo Ignácio Nogueira Penido, 335
Edifício Madison Tower, Sala 307
CEP: 12246-000, Bairro Jardim Aquárius
São José dos Campos / SP
12 | 3431 2898
12 | 99781 1219
atendimento@rsartoretto.com.br
 


© - Ideia Good - Soluções para Internet